Três lados para uma moeda - jasmine (livro 2) por Raquel Amorim


[Comentários - 36]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

- Vamos, entre e fique calada.

            Fernando disse para a loira que entrou na pequena casa, era um local onde o rapaz usava para usar suas “porcarias” com uns amigos e levava algumas mulheres, o local fedia e dava para sentir de longe o odor de drogas.

- Ela precisa de água. – A ruiva fala com a voz trêmula.

- Na geladeira tem, vai pegar eu fico te olhando daqui.

            Bárbara levanta e vai em direção a geladeira, pega a pequena mamadeira da filha que estava dentro da bolsa e deposita a água da jarra, logo depois colocando a boca de Júlia, a mãe tentava passar tranquilidade para a filha, mas estava aterrorizada, ela só queria sua mulher, queria estar nos braços de Jasmine junto de sua pequena, escutando a loira dizer que tudo ficaria bem. Ela volta para onde o rapaz estava segurando a arma e senta na pequena poltrona, se encolhe segurando firme o copo de Júlia começando a niná-la.

- Sabe, eu devo admitir que minha irmã tem bom gosto. Você é uma tremenda gostosa. – As palavras do rapaz fizeram o copo da mulher estremecer, seu medo cresceu com aquilo. – Ela sempre foi a mais atraente, a mais inteligente, a mais carismática, e a preferido dos meus pais, eu só tinha uma vantagem sobre ela, eu era homem, o homem da família, mas a desgraçada tinha que gostar de mulheres, ela tinha que... – Ele fecha os olhos com força. – A primeira garota que ela ficou, eu vi, e sabe o que era pior, eu a queria para mim, passei seis meses babando por aquela mulher, pensando em como eu poderia chegar nela, então em uma festa, sem esforço algum, Jasmine conseguiu o que eu não consegui em seis meses. – Ele sorri irônico balançando a arma para cima e para baixo. – Ela consegue tudo tão fácil, ela consegue o que quer. Deve ter sido fácil te levar para a cama não foi?

- Você não sabe de nada, cala a boca.

- Você deve ter dado bem gostoso para ela. Você já sentiu um “pau” dentro de você? Claro que já, você tem uma filha. Foi tão ruim assim para você começar a ficar com mulheres? Eu posso mudar isso para você, posso fazer de um jeito tão gostoso que vai esquecer minha irmã rapidinho.

- Cala a boca.

            Bárbara estava aterrorizada. Não poderia acontecer de novo, por mais que ela não lembrasse, ela sentia que foi o pior momento da sua vida.

- O que foi? Gostou da ideia? – Ele se aproxima segurando a arma. A ruiva aperta mais a filha contra seu peito. – Não se preocupe, eu não quero isso, eu só quero o dinheiro. Apesar de você me dá um tesão desgraçado, você está com sua filha, você pode não acreditar, mas eu não faria isso com uma criança do lado, apesar de eu adiá-la, apesar de ela ter tirado tudo de mim, eu ainda sou humano, eu só quero o que é meu. – Ele se afasta e olha pela janela.

            Para ele se tratava só disso, de dinheiro, ele só queria os milhões e depois sumiria, mas de repente a imagem de sua mãe veio à mente, o rapaz fecha os olhos com força e respira fundo, ele deixaria aquela cidade, aquele estado e quem sabe aquele país, ela não queria o mal da mãe, ele só queria ir embora com o que era dele.

- Vai ficar tudo bem meu amor, a mamãe Jas vai dá um jeito, ela sempre dá.

            A ruiva fala encarando a filha que tinha os olhinhos claros fixos nos dela. E era nisso que Bárbara acreditava, ela sabia que a namorada ia salvá-las, a loira sempre foi e sempre será a sua salvação, era só uma questão de tempo.

.......................................

- Que droga Martins, consiga a merda do dinheiro, eu quero a minha filha e a minha mulher aqui, seguras.

- Jasmine, não é tão fácil.

- Que se dane, essa merda de dinheiro só traz desgraça, que se dane ele, eu só quero a minha família.

            Jasmine gritava, ela chorava e chorava, tentava controlar suas ações, mas era impossível, ela só queria suas mulheres juntas, ao seu lado onde era os lugar delas.

- Eu só quero a minha família comigo. – Ela fala chorona ao se deixa cair sentada no sofá.

            Lucas abraça ao corpo da amiga com força, a loira precisava desse contato, ela precisava sentir que estava tendo apoio, e seu melhor amigo era a melhor opção.

- Martins, por favor, só faça. Ele só quer o dinheiro, não podemos ficar parados aqui, essa merda de dinheiro não é o mais importante, as duas são.

- Lucas, você melhor do que ninguém sabe que 600 milhões não são tirados assim de um banco, são muitos papeis preenchidos e no caso de vocês é pior, pois para manusear esse dinheiro, seria preciso Jasmine e Bárbara.

- Mas... – A loira tenta, ela respira fundo e apesar de não entender nada de situações bancárias, ela compreendia o que o advogado falava.

- Então o que faremos? – Rebeca pergunta.

- Eu aconselharia a ligar para a polícia, talvez tendo a polícia envolvida, o banco libere o dinheiro.

- Ok, mas que isso seja sigiloso. Eu não quero um escândalo e repórteres na porta da casa. – Jasmine fala encarando o advogado que logo se levanta.

- Certo, vou resolver isso. – Ele se afasta e pega o celular, ligando para os contatos que tinha dentro da delegacia. 

- Você não vai avisar a sua mãe? – Lucas pergunta acariciando os cabelos da loira.

- Para que? Para era ficar sofrendo aqui comigo?

- Ela gostaria de saber que sua neta está nessa situação e que seu filho é o sequestrador.

- Lucas eu... – Ela chora desesperadamente no ombro do amigo. – Eu não posso perdê-las, eu não posso.

 

            Jasmine chorava, seu coração parava a cada vez que pensava no que as duas poderiam estar sentindo, ela estava perdida, completamente perdida, não aguentaria, não suportaria. Sua dor era absurda, depois de tudo que as duas passaram, ela não poderia deixar que mais nada de mal acontecesse com sua filha e sua mulher, ela não permitiria que as duas sofressem mais.

Nome: perolams (Assinado) · Data: 10/09/2017 11:46 · Para: 43

Aflição até o próximo. Pelo menos não teve estupro, era o que temia.



Resposta do autor:

Nossa nem pensei nisso, seria demais... estamos na reta final. Final, beijuss



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.