Três lados para uma moeda - jasmine (livro 2) por Raquel Amorim


[Comentários - 36]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

(06 de abril de 2017, Quinta-feira)

- Pronto, agora ela vai ficar mais convencida por minha bebê ter o nome dela.

            André disse ao beber da taça de vinho, uma semana depois, de saber a quem pagar e encontrar um bom advogado, elas conseguiram, afinal o sobrenome da loira sempre ajudava para conseguir o que queria, e como os casais LGBT vinham ganhando notoriedade, registrar uma criança com duas mães não era mais tão incomum, Júlia se chamava oficialmente Cardoso Albuquerque, e Jasmine não poderia estar mais feliz.

- Você não imagina ao quanto cunhado.

            Ela olha para a filha sentada no colo da mãe. A pequena não entendia nada, mas o sorriso nos rostos de todos lhe dizia que estavam felizes e para ela, era o que importava.

- Eu amo vocês.

            Jasmine disse apenas com os movimentos dos lábios. Bárbara sorri e responde.

 - Nós amamos você.

            Então agora era oficial, elas eram mães da pequena Júlia. Seu coração transbordava felicidade. E sua vida estava perfeita, agora era só resolver a situação em Minas Gerais, depois voltar à São Paulo e ser feliz, quem sabe ter mais filhos com a ruiva, talvez ela mesmo engravidar, o desejo se tornou presente depois de conhecer Júlia, sim, era isso, ela queria gerar um bebê delas. Seu sorriso aumenta com a possibilidade.

- Que horas é o voo de vocês? – Pietro pergunta.

- Às nove da manhã. – Bárbara responde.

            Como já estava tudo certo, elas iriam para Minas Gerias, e os casal de homens iria tomar conta do bar, Pietro foi oficialmente contratado para cuidar da contabilidade do bar, sendo que em segredo ele conversava com Jasmine sobre abrir um segundo ponto, em outro bairro. E se desse certo, ele e André seriam os responsáveis. Mas seria uma surpresa para os irmãos Cardoso.

- Espero que vocês não ponham fogo em nosso negócio e nada de transar no escritório, apenas eu e Bárbara podermos fazer isso, se vocês pensarem nessa possibilidade, lembrem-se que nossos corpos nus já passaram por todos aqueles móveis.

- Ew, sua nojenta, eu nem vou chegar perto daquele lugar agora. “Aff”, eu sentei naquele sofá. – André fala com cara de nojo.

            Todos sorriem, mas para Jasmine era mais. Ela não sabia exatamente o que a esperava, mas sabia que as coisas seriam complicadas, queria fazer aquela viagem para deixar claro que ela estava certa em seguir em frente, além não querer se corroer futuramente com incertezas e medos. Ela apenas tinha medo de não o fazer e sentir arrependimento, um adeus a seu pai, seja como for, fará seu coração se sentir aliviado, e sobre seu irmão, saberia como agir depois que chegar ao local.

......................................

(07 de abril de 2017, Sexta-feira) – Minas Gerais.

            O casal caminha pelo aeroporto a passos lentos, a ruiva sentia a hesitação da namorada. Bárbara carregava a filha e Jasmine empurrava o carrinho com as malas. Ela não sabia exatamente o que sentir, ela imaginou nunca mais pôr os pés naquele lugar, mas fora inevitável e o motivo a deixava mais desconfortável. Seu pai iria morrer, e ela precisava fazer aquilo, se despedir era o mínimo que poderá fazer.

- Tudo bem? – A ruiva pergunta. Jasmine apenas concorda com a cabeça. – Deixa eu empurrar o carinho, pega a Júlia.

            A loira sorri, a namorada a conhecia tão bem para saber que a ruivinha lhe passaria segurança e força. Júlia era seu porto seguro, sempre que a tiver nos braços ela saberá que pode enfrentar tudo. Elas trocam de posição, e depois de andar mais um pouco avistam o casal já conhecido. O sorriso no rosto de Jasmine e Lucas é impagável, as namoradas de ambos não sentiam ciúmes, na verdade, elas admiravam, eles eram tão ligados, tão fieis, e aquele tipo de amizade era difícil de se ver nos dias de hoje.

- Jas...

- Lucas...

            Eles gritam e correm um em direção ao outro. O abraço foi tão forte que Júlia começa a sorrir. Ela gostou daquela sensação. As lágrimas poderiam ser vistas nos olhos dos dois amigos. Rebeca e Bárbara se aproximam, também com lindos sorrisos nos rostos, elas se cumprimentem e voltam a admirar os dois.

- Eu senti sua falta maluquinha.

 - Eu também senti a sua.

            Eles se separam e então ele admira a criança.

- Oh meu Deus, ela é mais linda pessoalmente. – A pequena usava um vestido florido e o cabelinho amarrado para o lado.

– Oi princesa, eu sou o titio Lucas.

- Titio.

            Ela repete e o coração do rapaz derrete.

- Eu acabei de me apaixonar.

- Diz oi meu amor. Prazer, eu sou Júlia Cardoso Albuquerque. – A loira diz imitando a voz de criança

- Espera... você...

- Sim, ela é oficialmente minha filha, uma Albuquerque.

- Uau, isso é ótimo, então é minha sobrinha mesmo. – Ele diz com um sorriso no rosto. Então olha para a ruiva maior. – E você é a Bárbara. – Eles se abraçam. – É um prazer te conhecer.

- O prazer é meu.

            Jasmine sorri e faz o mesmo com Rebeca. Logo depois de todas as apresentações e o casal de Minas Gerias babar pela pequena durante todo o caminho, eles estavam em frente a mansão dos Frazão, pois Lucas nunca deixaria que elas ficassem em um hotel tendo uma casa tão grande.

- Ela sabe que eu estou aqui? – Jasmine pergunta estando sentada no sofá, depois de se acomodarem, Rebeca ajudava Bárbara a guardar algumas coisas e os amigos aproveitaram para resolverem outras.

- Não, assim como você pediu.

- Ok, eu não sei como fazer isso.

- Talvez não planejar seja a melhor opção. Você simplesmente saberá como agir na hora.

- Então eu simplesmente chego até lá e entro, sem mais nem menos?

- Aquela já foi a sua casa.

- Sim, mas nunca foi um lar. – Ela fala triste.

- Eu sei. – Ele suspira. – Mas vai dá tudo certo, sua mãe precisa de você.

- E é só por ela que estou aqui. Eu tenho minha família comigo, minha mulher, minha filha e você, você é meu irmão de coração, apesar de ser nojento dizer isso sendo que já transamos, mas você entendeu.

- É, isso foi bem estranho. – Ele sorri e se aproxima da amiga, abraçando-a. – Mas eu entendi, também te considero como uma irmã, vai dá tudo certo. Você vai ver.

 

             E ela torcia para que ele estivesse certo, porque enfrentar aquela família depois de 8 meses, não era pouca coisa. 

Nome: lay colombo (Assinado) · Data: 29/08/2017 11:16 · Para: 32

Eu adoro a amizade da Jas é do Lucas, ainda bem q eles conseguiram superar os problemas deles é manter essa relação tão incrível



Resposta do autor:

Sim. Eu adoro escrever sobre eles. Bjusss



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.