Enternecer por femarques


[Comentários - 289]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

CAPÍTUL 2:

GIULIANA

 

“A senhora quer que deixe seu jantar pronto?”

            Tomei o último gole do suco e levantei a cabeça para encarar Abigail, uma senhora de cabelos curtos e tingidos de um louro quase dourado. Ela sorria para mim com ternura. Abigail trabalhava na minha casa há seis anos e era como uma segunda mãe para mim.

            “Eu quero esperar chegar o dia em que você não vai mais me chamar de senhora. E sim, por favor. Quando eu chegar do trabalho, esquento.”

            Me levanto da mesa segurando o prato e copo vazios. Coloco-os sobre a pia e me abaixo para dar um beijo no rosto dela.

            “Agora vou tomar um banho e sair. Vou almoçar com Matteo, quer alguma coisa de lá?”

            Abigail balançou a cabeça negativamente e me devolveu o beijo, virando-se para a pia. Mudar para a Inglaterra exigiu algum esforço comparando aos costumes italianos. Ela nunca negou nenhum abraço ou beijo, sei que ela se importa comigo como uma segunda mãe, mas se mantém mais afastada. Nem todos os ingleses gostam de quem beija e abraça, ou fala alto. E isso é uma droga.

            Subo as escadas pulando os degraus e logo chego em meu quarto, indo direto ao banheiro. Assim que abro a porta, abro um sorriso de canto e me encosto no batente da porta.

            “Sua avó não me disse que estava aqui.” Começo dizendo enquanto entro no cômodo a passos lentos.

            “Fiquei doente demais para ir a aula.”

            “E claro, resolveu usar minha banheira.”

            “Espero que não seja um problema.”

            Solto uma risada baixa e dou de ombros. Realmente não me faria diferença, mas eu sei que para ela poderia significar alguma coisa. Tiro minha calça de moletom e a camiseta, jogando-as no chão. Passo as mãos em meus cabelos curtos e entro aos poucos na banheira.

            “Nunca tomamos banho juntas, Callie.”

            “Eu não gosto de Callie, já disse que meu nome é Calliope. E eu sei que tomar banho com você não passa disso. Eu não quero nada além disso.”

            “Que bom, sua avó me mataria.”

            Calliope é neta de Abigail, veio morar em Norwich para estudar e com isso, morar com a avó. Como sua avó passa a maior parte do tempo na minha casa, é quase rotina tê-la aqui.

            Me sento de frente para ela na banheira e a encaro. Lábios grossos, olhos verdes, pele clara e o cabelo um pouco abaixo do ombro em tom castanho escuro. Com certeza era difícil resistir e ainda tinham pontos positivos, como me fazer começar bem o dia e não ter compromisso algum.

 

            Não demorou dez segundos após terminarmos nossa brincadeira e Callie já tentava se aninhar em mim dentro da banheira. Respiro fundo e me afasto, me levantando em seguida.

            “Preciso ir. Não faça essa cara.”

            “Você nunca vai ficar mais tempo?”

            Olho para ela, já enrolada na toalha e perto da porta. “Eu sinto muito, mas não.”

            Deixo-a em meu banheiro e me troco rápido o suficiente para evitar outro encontro no quarto. Visto minha calça jeans preferida, de quando quero que o dia dê certo. Essa é uma mania boba dos ingleses, superstição. Abigail me ensinou algumas e para deixá-la feliz, aderi a uma calça do “dia de sorte”. Depois de vestida a camisa, visto meu suéter preto, penteio o cabelo com as próprias mãos para trás e saio de casa.

           

            Passo a manhã no Senses trabalhando, conversando com os fornecedores. Senses Bar é um pub, o qual sou proprietária.

            “Ei, Giuliana está por aqui?”

            Escuto Andrea me chamar na entrada e vou até lá, onde vejo-a conversando com o segurança.

            Nos cumprimentamos com um beijo no rosto e depois de deixar tudo nas mãos de Micah, meu sócio, saio com ela para almoçar. Atravessamos a rua e entramos no Bianco’s, o restaurante de comida japonesa de Matteo.

            Matteo era italiano, como eu, e era dono e chef de um restaurante de comida japonesa com um nome estranho. Mas era muito bom no que fazia.

            Nos sentamos em uma mesa reservada ao fundo e esperamos que nosso amigo logo viesse com o que tivesse preparado para nós, e não demorou muito, ele chegou, nos cumprimentando com abraços apertados.

            “E então, você está com uma aparência ótima.” Comenta ele ao me olhar, sentando-se de frente para mim.

            Dou de ombros, como se fosse indiferente e começo a me servir. “Visita especial no banheiro hoje cedo.”

            Andrea dá um tapa na mesa e enruga a testa. “De novo aquela garota, Giu?”

            Arregalo um pouco os olhos, pressiono os lábios e estendo as mãos. “O que eu posso fazer?”

            “Realmente, Andrea, você já viu a garota? Calliope é demais.”

            Minha amiga bufa e se recosta na cadeira.     

            “Tem dias em que quase desisto de ser amiga de vocês.”

            Andrea é psicóloga e vive tentando me fazer mudar de ideia sobre relacionamentos, mas até agora, não sinto surtir efeito.

            Passamos um bom tempo conversando depois do almoço e antes de voltar ao trabalho, decido dar uma volta na cidade.

            Micah estava cuidando do bar, portanto, eu só voltaria à noite. A chance de voltar para casa e encontrar Callie era enorme, então a melhor opção era passar o tempo rodando por Norwich.

            Dou duas voltas com o carro ao redor da quadra do Castelo de Norwich até perceber uma livraria. Comprar livros nunca é demais. Waterstone’s Booksellers. Paro o carro em frente e desço devagar enquanto analiso a entrada do local. Conheço várias livrarias daqui, mas essa era nova. A fachada preta com letras brancas e o muro de tijolos laranjas e tinta creme não era de todo ruim e criava um ar convidativo.

            Não sei quanto tempo perco ali dentro em meio as prateleiras sem conseguir achar o que queria. Vou até uma moça alta e magra, quase da minha altura, o que me impressiona, e sei que ela trabalha aqui pelo nome da livraria estampado nas costas de sua blusa.

            “Oi, você pode me ajudar?”

            A moça se vira e abre um sorriso desconcertado.

            “Claro.”

            “Queria a biografia de Jane Austen e não consigo achar.”

            Ela umedece com a ponta da língua os lábios grossos e tenciona o maxilar quadrado. Suas sobrancelhas grossas e com fios fora do lugar se unem em um franzir de testa nada discreto e por fim, ela apenas maneia a cabeça de modo afirmativo, saindo andando em minha frente.

            “Eu gosto de ler biografias.” Retruco a expressão estranha que ela faz, sem entender o porquê de eu estar me explicando.

            A moça me ignora e puxa uma escada de rodinhas para uma estante enorme. Sobe nela e pega um livro.

            “Aqui.”

            Abro um sorriso largo, pegando-o de sua mão. Encaro de novo seu rosto e gosto do que vejo. Cabelos compridos, encaracolados e jogados de qualquer jeito, os olhos levemente puxados, traços finos em seu rosto e lábios rosados.

            “Agradeço a ajuda.”

 

            Espero que ela diga algo, mas apenas me sorri e com um maneio de cabeça, se afasta, me dando as costas. Dou de ombros e respiro fundo. Desço as escadas e vou até o caixa pagar pelo meu livro, deixando de lado a esquisitice da moça.

Nome: annagh (Assinado) · Data: 12/09/2016 08:07 · Para: Capítulo 2

Oi Fê!!! Feliz por ter voltado!! 

Primeiro que tudo amei o título da história. "Enternecer"....lindo..lindo...isso indica que teremos uma historia cheia de emoções !!!

Amo teu jeito de escrever....de forma tão correta e clara.

Quantos às personagens...vamos lá: Beatrice me passou a impressão de uma garota meiga e protetora que tras dentro de si alguma espécie de trauma que a levou a algum tipo de transtorno psicológico  (to certa será? ???????). O modo como ela trata a irmã e a forma como tratou Giuliana diz muito da sua personalidade. Porém acredito que Gil irá transformar a vida de Beatrice. Adorei logo de cara a Gil (olha so a intimidade ...rsrsrs). Bem espontânea,  simpática, educada e linda!!! Quero logo um encontro mais íntimo entre as duas...quero ve a Química batendo aí...to apostando nessa historia minha linda Autora!!!

Obrigada por voltar!!!

Cheiro.



Resposta do autor:

Oi, Ana.

Que bom que está gostando por enquanto, e muito obrigada!

Vamos esperar para ver o que Beatrice esconde, mas ela realmente é uma garota protetora. Giu é quase o seu oposto, e é uma personagem divertida.

Beijo!



Nome: darque (Assinado) · Data: 12/09/2016 06:34 · Para: Capítulo 2

Vejo q nossa nova personagem (Giuliana) não se apega.  Mas pelo visto ficará com os joelhos arriados por nossa Beatrice.

Estou na plateia esperando pelos próximos acontecimentos. 

BJS

Darque



Resposta do autor:

Oi! Acho que Beatrice pode deixar Giuliana sem muita opção, não é?

Beijão!



Nome: lohs (Assinado) · Data: 11/09/2016 22:21 · Para: Capítulo 2

Meio antipática essa Beatrice, né? Coitada da Giuliana, foi toda simpática. 

Esperando o próximo, Fê.

Beijos

 



Resposta do autor:

Beatrice não é antipática, Giuliana é um amor, mas não precisa defender. 

Espere mesmo o próximo, coitada de você, querendo ler o terceiro.

Beijo.



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.