A ilha do falcÃo por Vandinha


[Comentários - 223]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

A ILHA DO FALCÃO -- CAPÍTULO 13 

 

 

 

NÃO CONFIO EM NINGUÉM 

Andreia sentiu um calor nas faces quando viu a sua foto sendo mostrada no jornal da manhã. 

-- Que vergonha! -- levantou a cabeça, mas ficou sem voz ao encarar aqueles olhos verdes lindos -- Então, essa é a minha irmã? -- Seus cabelos castanhos claros não eram muito curtos nem muito compridos, e seu rosto tinha um formato perfeito. Sua beleza a deixou fascinada. Ao perceber que Sidney notava sua reação, tossiu, tentando disfarçar a sua fascinação. 

-- Ela é uma mulher quase inalcançável -- comentou o rapaz -- E você está a ponto de se tornar a queridinha dela. Está assustada? 

-- Não estou assustada, mas sim aterrorizada.  

Os amigos voltaram a atenção para o telejornal. 

-- Uma fonte segura confirmou que a vasta fortuna da família Falcão, acumulada ao longo de várias décadas, inclui duas ilhas, dois hotéis cinco estrelas, várias pousadas, muitos bares e restaurantes. Mais de três mil funcionários, Natasha comanda um império que se estende muito além do Brasil -- disse a repórter, fazendo pose em frente à câmera. 

-- Você ficou babando quando a viu, não esqueça que vai ser a irmã dela e não a namorada. 

-- Não fala besteira, seu maluco. Eu não sou lésbica -- respondeu de imediato. 

-- Ah, tá. E o que me diz daquela mulata que você ficou no halloween do ano passado? E da loira hippie do curso de filosofia que você ficou, antes de conhecer o Cesar? 

-- Não sou lésbica, sou bissexual, é diferente -- Andreia se virou para voltar a assistir o telejornal. 

-- Agora vou ter que arrumar as minhas coisas e voltar para os Estados Unidos. 

-- Por que? -- Andreia virou-se bruscamente para encará-lo -- Pensei que ficaria ao meu lado, que fosse comigo para a ilha. Não vou conseguir ficar lá sem você.  

Sidney pegou a mão dela, e aplicou um beijo na palma da mão. Seu coração compadeceu-se, mas estava receoso. 

-- Gostaria muito de acompanhar você, mas não sei se serei bem recebido pela toda poderosa.  

-- O que? Se ela te tratar mal, eu arranco aqueles olhos lindos dela e jogo para os falcões comerem. 

Sidney deu um salto de susto. 

-- Credo, linda! Que violência. 

-- Não é justo que eu abra mão dos meus amigos, só porque ela não gosta deles. Acho bom que ela te receba muito bem, caso contrário, dou meia volta e retorno para o Rio. 

-- Eu, hein!? -- exclamou admirado, o rapaz -- Já incorporou a irmãzinha Carolina? 

A campainha estridente do telefone sou pelo apartamento. Andreia riu divertida e se levantou para atender.  

-- Alô! Quem? Sonia? Hum... -- Andreia afastou o telefone para que a pessoa não ouvisse e, sussurrou para Sidney: É a minha prima, ela viu a reportagem e me reconheceu como a irmã desaparecida da Natasha.  

 

A reportagem também causou grande impacto na Ilha do Falcão. Um dos funcionários do hotel recebeu por WhatsApp trechos da reportagem e em poucos minutos a notícia se espalhou pela ilha. 

-- Poderosa mestra! -- Leozinho parou à sua frente com um celular na mão, impedindo-lhe a passagem. 

-- Nem vem, Léo -- Natasha empurrou o celular e continuou o seu caminho -- Estou de saco cheio desses seus vídeos de receitas e de homem kiwi. 

-- Como assim, homem kiwi, poderosa? 

-- Peludo por fora mais fruta por dentro!! -- Ignorando Leozinho, Natasha cruzou o elegante saguão com piso de mármore, indo em direção ao elevador e apertando o botão. 

-- Não é nada disso chefa. É uma reportagem sobre a Carolina. 

-- Carolina? -- imediatamente recuou e pegou o celular da mão dele -- Colocaram justo esse meu vídeo, minha irmã vai me achar um bucho. 

-- Onde foi filmado? 

-- No Beto Carreiro World, eu havia acabado de sair da montanha-russa invertida, não dá pra ver, mas estava toda cagada. 

-- Olha a foto de como ela pode estar agora. 

-- Deixe-me ver -- Natasha se adiantou -- Poxa! Ela é linda. 

-- Não se empolgue. Esse é só um retrato falado de progressão de idade, como Carolina estaria hoje, com vinte e quatro anos -- Leozinho balançou os ombros -- Ela pode ser um tribufu com a cara cheia de... 

O rapaz nem terminou a frase, Natasha deu um tapa na nuca dele. 

-- Nunca mais fale da minha irmã dessa forma -- ela deu de dedo nele e entrou no elevador. 

-- Credo. Parece uma louca! -- Leozinho resmungou da porta do elevador. 

-- O que você falou? -- Natasha virou-se para encara-lo. 

-- Que nunca mais abro a boca. 

-- Acho bom. Agora vamos para a minha sala, quero ligar para o Vanderlei. Talvez ele tenha alguma novidade. 

 

 

Vanderlei olhou para o relógio, impaciente para sair. Estava quase na hora de embarcar para Santa Catarina e Andreia não aparecia. Queria encontrar-se o mais breve possível com Natasha. 

O detetive esfregou as mãos com força. Só este nome já era suficiente para deixá-lo nervoso. 

-- Não posso mais esperar -- se levantou dando um tapa no braço da poltrona. 

-- Ela e o Sidney foram ao hospital, espere mais um pouco, eles já devem estar chegando. 

-- Não posso, vou perder o voo e... -- seu telefone celular tocou e ele rapidamente checou o identificador de chamadas -- É a senhorita Natasha. 

O detetive passou uma das mãos pelos cabelos ralos de modo impaciente ao mesmo tempo em que segurava o telefone celular próximo à orelha -- Pode falar, senhorita. 

O estomago de Marcela revirou e ela foi até a cozinha pegar um copo de água gelada. A situação era muito estressante, caso a empresária descobrisse, todos poderiam acabar na cadeia. 

Esse pensamento colocou seu coração em disparada. Ela ouviu a porta do apartamento se abrindo, depositou o copo sobre a pia e notou que seus dedos tremiam.  

-- Calma Marcela -- ela falou para si mesma. Respirou fundo e voltou para a sala. 

Na sala, o clima era tenso. Andreia e Sidney estavam sentados lado a lado de frente para o detetive. Vanderlei demorou alguns instantes para quebrar o silêncio. 

-- Já recebi dezenas de mensagens e fotos de pessoas que dizem ser Carolina Falcão. Natasha quer que eu as envie para ela, agora mesmo. 

-- Nós ainda não enviamos nada da Andreia -- disse Marcela, demonstrando preocupação. 

-- Pode deixar comigo -- Sidney levantou-se, então, dando a volta na mesinha e pegando o celular -- Dá um jeito nessa cútis amassada, querida. Vou tirar uma foto bem linda para enviar para a sua irmã. 

-- Eu estou horrível, chorei por um longo tempo lá no hospital -- reclamou, Andreia. 

-- Espera um pouquinho -- Sidney correu até o quarto e voltou com um nécessaire para maquiagem na mão -- Nada que um corretivo e uma base, não dê um jeito, bobinha. 

 

 

Natasha olhou para Leozinho, colocou a foto computadorizada da Carolina ao lado do computador, respirou fundo e abriu o e-mail, ansiosa.  

-- Vamos lá -- abriu o primeiro e-mail e analisou a foto -- Essa não é. 

-- Essa também não, chefe. 

Depois de trinta fotos... 

-- Essa é bem parecida, mas é japonesa -- Natasha inclinou em direção à tela para ver melhor -- Será possível? 

-- Claro que não, sua burra -- Leozinho falou baixinho, revirou os olhos e fitou o teto. 

Natasha parou o que estava fazendo e o encarou, com os olhos faiscando. 

-- O que você falou?  

-- Que essa moça merece uma surra -- disse de imediato -- Tentar enganar a chefe, desse jeito -- ele pigarreou. 

-- É verdade -- Ela retornou à atenção para o computador -- Vamos para a próxima -- Natasha olhou, olhou novamente e depois olhou para Leozinho, sem entender -- O que é isso? 

Leozinho se inclinou para a tela. 

-- Um gay? 

Os olhos dele se abriram e, por alguns segundos, ambos se olharam estarrecidos. 

-- Vou ler a mensagem -- Natasha abriu o documento anexo e leu em voz alta: Meu nome é Sidney. Eu assisti à reportagem e achei a minha amiga Andreia, muito parecida com a sua irmã desaparecida. Por isso enviei a foto dela. 

-- Ahhhh... -- os dois exclamaram juntos. 

-- Que susto! -- disse Natasha, cruzando os dedos atrás da nuca -- Por que toda bicha tem que ser exibicionista? 

-- Por que toda lésbica tem que ser grossa? 

-- Vou fazer de conta que não ouvi. 

-- Abre logo o anexo, poderosa -- pediu Leozinho, em uma ansiedade louca. 

 

Os olhos de Natasha encheram de lágrimas quando ela viu a foto de Andreia. 

-- Carolina, é a Carolina -- disse ela, os olhos se enchendo de lágrimas de novo. Natasha não conseguia evitar, de tocar com as pontas dos dedos na tela, fazendo um carinho no rosto da suposta irmã.  

-- Vai com calma Natasha. Pode ser que essa moça não seja a sua irmã desaparecida. 

-- É ela, eu sei que é -- a empresária não se cansava de admirá-la -- Ela é linda. 

-- O tempo faz milagre com as pessoas -- Leozinho foi irônico. 

Natasha se levantou bruscamente da cadeira. 

-- Mande preparar o jatinho, vou ainda hoje para o Rio. 

 

Sibele saiu do quarto e quase esbarrou na pessoa que passava de cabeça baixa.  

-- Léo, por que não olha por onde anda? 

-- Conversamos mais tarde. Estou com muita pressa agora -- Leozinho fez menção de voltar a caminhar, mas Sibele o segurou pelo braço. 

-- Ei, ei, espera. O que está acontecendo? Por que tanta pressa? 

-- A Natasha está se preparando para viajar ao Rio, estou indo falar com o comandante. 

-- Para o Rio?  

-- Natasha acredita que o detetive encontrou a Carolina. Por isso ela quer ir o mais rápido possível para lá. 

-- NÃO! -- ela berrou, com um olhar desesperado para Leozinho. 

-- Não? -- o rapaz não entendeu direito o que Sibele queria dizer -- Por que? 

 

Sibele percebeu que sua reação foi exagerada, e saber que Leozinho não podia suspeitar de seus pensamentos devolveu-lhe o controle. 

-- É que... ela não tem certeza que essa moça é realmente a Carolina. É uma atitude precipitada da Natasha.  

O pior de tudo, pensou Leozinho olhando para a médica, era que, realmente, não tinham certeza de nada.  

-- Você tem razão -- concordou -- Então, conversa com ela. A Natasha não vai me escutar. 

-- Aonde ela está? 

-- Estava lá no saguão conversando com o Hannibal. 

Sibele entrou no elevador e carregou no botão do piso para onde queria ir. A pele clara de seu rosto estava pálida, os olhos brilhavam intensamente demonstrando nervosismo. O elevador se abriu e ela dirigiu-se para a porta. 

Andou rápido e alcançou Natasha entrando no carro. 

-- Natasha! 

A empresária se virou rapidamente, fez um sinal para o motorista e aguardou Sibele se aproximar. 

-- Tem um tempo para conversar? 

-- Estou indo até as praias do Norte -- Natasha se encostou na porta do carro. 

-- Algum problema? 

-- Alguns dias atrás, observei que havia alguém acampando perto do atracadouro. Pedi para o Hannibal averiguar e, hoje ele veio me contar que tem uma moça sozinha naquela barraca. 

-- Que coragem! -- Sibele respirou fundo.  

Na Ilha do Falcão, praticamente não existem crimes praticados contra a vida. O sonho de toda família é viver em um lugar como esse, sem violência, e com nenhum registro de assassinato. Para uma mulher sozinha, no entanto, o Norte pode ser um lugar perigoso e traiçoeiro. 

-- Depois de resolver isso, vou viajar para o Rio de Janeiro. 

Sibele se obrigava a manter a calma, embora o pensamento do que estava por falar a deixasse muito nervosa. 

-- Você não pode fazer isso -- Sibele sentiu-se enrubescer imediatamente. 

Natasha a encarou surpresa. 

-- Não posso? 

A médica ficou indecisa por alguns instantes, estava nervosa, mas logo se recobrou e tentando controlar a voz falou: 

-- Confesso que sou bem cética sobre a chance dessa moça ser a sua irmã -- dissimulou Sibele -- Mas se você acredita que ela é a Carolina, seria mais prudente que primeiro fizesse o exame de DNA. 

Natasha inclinou a cabeça a um lado, pensativa. Estava ansiosa demais para se encontrar com Carolina. Tanto que tinha a boca seca e sentia um aperto no coração.  

-- Esperei há anos por Carolina, está sendo muito difícil ficar aqui na ilha, parada, sem fazer nada. 

-- Já que esperou por tanto tempo, porque não esperar só mais um pouquinho?  

-- Quanto tempo demora para sair o resultado?  

-- Tudo depende do que está sendo analisado no teste de DNA. Sequenciamentos de todo o DNA, como os feitos nos testes de paternidade, pode demorar até duas semanas.  

Ainda encostada no carro, Natasha passou uma mão pelo cabelo castanho claro, os olhos verdes fixos no mar. Sibele imaginou que ela estava pensando sobre o assunto. 

-- Hum... Tá certo -- Natasha entrou no carro, baixou o vidro e olhou para ela -- Mas, se encarregue de acelerar esse exame. Não sei se consigo esperar duas semanas. 

Sibele sorriu, satisfeita. 

-- Pode deixar, vou entrar em contato com essa moça e marcar uma data para o exame. Quando você voltar, vou coletar o seu sangue para enviar ao laboratório. 

-- Resolva tudo pessoalmente. Use o meu jatinho para ir ao Rio -- Natasha franziu a testa, impaciente -- Não perca tempo com picuinhas. 

Assim que o motorista colocou o carro em movimento, Natasha pegou uma garrafinha de água para beber. 

-- Sabe Hannibal, Sibele me abriu os olhos para algo muito importante: Se você não sabe em quem confiar, não confie em ninguém. Principalmente nos momentos em que estamos fragilizados por conta da emoção. Isso porque, quando estamos fragilizados, ficamos vulneráveis e o nosso discernimento pode ficar comprometido. Nessa hora somos presas fáceis daquelas pessoas que não se importam conosco ou que nos desejam mal -- Suspirou longamente -- Quando Mariana foi embora, prometi a mim mesma que nunca mais permitiria que alguém me fizesse de boba. E vou cumprir essa promessa. 

Natasha tomou um gole da água e olhou para fora da janela do carro, onde o sol da manhã brilhava sobre o oceano Atlântico.  

-- Você e o Lucas estão comigo desde que nasci.  Trabalharam para o meu avô, para os meus pais e, agora para mim. Os considero minha família. 

Lucas a olhou pelo retrovisor e sorriu. 

-- Confio em vocês como confiava em meu avô. Por isso, vou encarrega-los de um trabalho secreto. 

-- Pode falar, chefe -- disse, Hannibal. 

-- Vocês vão para o Rio de Janeiro e, só voltarão de lá quando descobrirem tudo sobre Andreia Dias e sua família -- Natasha ergueu o rosto e olhou para os dois -- Revirem a vida dela desde os descendentes, de geração em geração. Se Andreia, realmente for a minha irmã Carolina, farei dela a pessoa mais feliz do mundo. Mas se não for... Farei da vida dela um verdadeiro inferno. 

 

 

Nome: brunafinzicontini (Assinado) · Data: 21/01/2018 23:53 · Para: Capitulo 13 NÃO CONFIO EM NINGUÉM

Meu Deus! Estou prevendo a situação complicada! Andreia poderá muito bem se sentir apaixonada por Natasha... Caso se deixe levar pelo amor, não conseguirá levar a mentira adiante e revelará a verdade à Natasha. Qual seria a reação da poderosa empresária?

Não entendi por que Natasha já promete fazer da vida de Andreia um inferno, caso não seja sua irmã. Por enquanto, houve apenas a informação enviada pelo Sidney. Andreia ainda nem se manifestou...



Resposta do autor:

Bom dia!

Desculpa a demora em responder. O trabalho tem me tomado quase todo o tempo, mas enfim, estou aqui.

Você vai entender melhor quando ler o cap. 14 e ver que o Sidney está se passando pela Andreia e enviando e-mails contando sobre a vida da amiga. Ela prometeu transformar a vida dela um inferno, caso a moça esteja mentindo.

Eu recebi o seu e-mail, os dois, aliás. Prometo que segunda respondo, com mais detalhes do que coloquei no Jardim dos Anjos.

Beijão! Um domingo iluminado.



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 21/01/2018 03:39 · Para: Capitulo 13 NÃO CONFIO EM NINGUÉM

A natasha tb nao e boba. Nao sera tao fácil engana-la. To louca pra saber desenrolar de tudo isso. A Sibele jogou direitinho. A poderosa aprovou sua orientação. Bjs van.



Resposta do autor:

Bom dia, Patty!

Vai ser surpreendente. Aguarde!

Um domingo iluminado para você. Beijos.



Nome: NovaAqui (Assinado) · Data: 20/01/2018 18:53 · Para: Capitulo 13 NÃO CONFIO EM NINGUÉM

Quem será a moça da barraca? Mariana? Carolina? Alguma Tchuchuca para Natasha azarar?

Pelo menos eles irão passar informações verdadeiras para ela. Lógico que ela será enganada, mas por menos terá informações reais e que não serão passadas por Sibele & Cia.

Vamos que vamos rumo ao plano diabólico

Acho que Andreia se encantará pela irmã

Abraços fraternos procês!



Resposta do autor:

Bom dia!

Não vou contar nada. É tudo segredo.

O que posso garantir é que as mentiras não duram por muito tempo.

Paz, muita paz nesse domingo.

Beijos.



Nome: Mille (Assinado) · Data: 20/01/2018 17:18 · Para: Capitulo 13 NÃO CONFIO EM NINGUÉM

Olá Vandinha 

Natasha não é boba, o que salvará a Andreia é que realmente ela foi adotada.  E ela vai saber quem é a Marcela e a situação do pai tanto financeira como a saúde. 

Bjus e até o próximo capítulo 



Resposta do autor:

Bom dia!

"Elementar, meu caro Watson".

É isso aí garota.

Beijão Mille. Um domingo lindo pra você.



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.