A ilha do falcÃo por Vandinha


[Comentários - 273]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

A ILHA DO FALCÃO -- CAPÍTULO 12 

 

MENTE CRIMINOSA 

Marcela abriu a porta do apartamento, para que o detetive Vanderlei entrasse. Os quatro ficaram por algum tempo em silêncio observando o homem que caminhava receoso até o meio da sala. Finalmente, ao perceber que estavam sendo indelicados, Marcela fechou a porta atrás de si e indicou o sofá para que ele se sentasse. 

-- Meu nome é Marcela -- apresentou-se sentando-se ao lado dele no sofá -- A Sibele você já conhece, aquela é a Andreia, minha irmã e o seu amigo Sidney. 

Andreia, que estava sentada ao lado de Sidney em uma poltrona no canto da sala, olhou para ele, fez um gesto discreto com a mão, mas não se levantou. Sabia que o detetive era figura importante nessa trama, e isso a incomodava profundamente. Ele deu uma olhada ao redor, antes de falar com Sibele: 

-- Então você tem algo muito importante para me dizer. Espero que seja sobre a irmã da senhorita Natasha. 

Percebendo que ele esperava por uma resposta, Sibele começou a falar: 

-- Você tem um problema, nós temos um problema. Quem sabe juntos não resolvemos esse problema? 

Vanderlei fitou-a, confuso, sem entender onde Sibele queria chegar com toda aquela conversa sobre problema. 

-- Seja mais clara, Sibele -- pediu o detetive. 

-- Serei bem realista, você nunca encontrará a Carolina. Essa garota deve estar morta ou, perdida nesse mundão de Deus. É um caso perdido -- Sibele caminhou pela sala, enquanto falava, e parou junto à poltrona em que Vanderlei e Marcela estavam sentados -- Os dois milhões que a Natasha prometeu, nunca chegarão as suas mãos. 

O detetive engoliu em seco, o tom da voz da médica era duro e frio, porém, realista. 

-- E qual é a solução que você encontrou? -- ele perguntou, curioso. 

-- Tenho uma solução muito simples -- Sibele apontou para Andreia -- Nossa querida ruiva também é adotiva, tem os olhos castanhos e pode tranquilamente se passar por Carolina. 

O detetive olhou para Andreia atentamente.  

-- Ser simplesmente parecida com Carolina não basta. Existem milhares de ruivas de cabelos castanhos espalhadas pelo Brasil. Algumas até mais parecidas do que ela. Precisamos de mais provas. 

-- Nós daremos mais provas -- comentou Sibele com um sorriso -- Daremos até um exame de DNA. 

Vanderlei ergueu uma sobrancelha. A ideia começava a ficar bem interessante. 

-- Exame de DNA positivo. Hum, como conseguirá isso? -- perguntou Vanderlei, olhando para Andreia -- Se bem que... -- Mais uma vez, ele voltou a atenção para Sibele -- Você é a médica de confiança da Natasha, será fácil manipular o resultado. 

Marcela caminhou até o bar, pegou uma garrafa de uísque da prateleira e colocou sobre o balcão. 

-- Deixe-me ver se adivinho. Já sei, você vai falsificar o resultado -- disse ela, enquanto preparava os drinks. 

-- Exatamente -- Sibele sentou em uma poltrona de frente para Vanderlei e curvou um pouco o corpo para frente -- Eu farei a coleta de material para enviar para análise. 

-- Como será realizado o exame de DNA? Ela vai ter que mandar desenterrar o pai? -- Andreia não conseguiu segurar a curiosidade. Era tudo novo, complicado demais, estranho demais -- Que horror! 

-- Nesses casos, em que o pai está morto, há duas alternativas para determinar a paternidade. A primeira é tentar extrair o DNA da ossada, mas pode fracassar, por causa da má qualidade do DNA, já exposto ao ambiente. A outra solução é compor características genéticas do falecido por meio de material colhido de parentes próximos. Provavelmente essa será a alternativa que Natasha escolherá. 

-- Difícil vai ser esconder essa história da imprensa. Natasha é uma celebridade, a notícia repercutirá por todo o país, os jornalistas começarão a fazer especulações e a investigar a vida da Andreia -- comentou Sidney -- Tem muita gente que a conhece e sabe de que forma ela foi adotada. Inclusive seu pai, meu amor. Ele vai ficar revoltadíssimo quando souber. 

-- Ele tem razão, Marcela -- concordou, Andreia -- As pessoas vão comentar e duvidar de nós. 

Marcela olhou séria para Sibele esperando por uma luz. 

-- Vamos dizer que seus pais adotivos esconderam a verdade com medo da justiça e de perderem o bebê. Quanto ao seu pai, Andreia, somente vocês poderão convencê-lo a guardar segredo. 

-- Papai vai levar um bom tempo para se recuperar, até isso acontecer, pensaremos em uma forma. 

-- Mentes criminosas em ação -- resmungou Sidney. 

Sibele foi até a estante, tirou a foto de Andreia do porta-retratos e entregou para o detetive. 

-- Você já se encontrou com o especialista em retratos? 

-- Ainda não -- respondeu o detetive, olhando para a foto em sua mão -- Por que? 

Sibele sorriu e balançou a cabeça. 

-- Porque o retrato de como Carolina pode estar atualmente, deve ser parecido com esse retrato da Andreia -- Sibele ergueu bem a cabeça e falou em tom sério: Foi distribuindo esse retrato pelo Rio que você chegou até a Carolina. 

-- Entendi - o detetive sorriu, satisfeito. 

-- Para que tudo fique ainda mais confiável, será bom que você procure a impressa e peça para eles divulgarem a foto.  

-- Meu Deus, isso já está indo longe demais -- Andreia encostou a cabeça no ombro do amigo e fechou os olhos -- Me diz que isso é um pesadelo, Sid. 

-- Pior que não, amiga. E olha que a tortura ainda nem começou. Espera quando a tal da Natasha ficar sabendo que encontraram a irmã desaparecida.  

-- Nem me lembre disso, eu acho que vou entrar em ebulição na frente dela. 

Sibele deu uma gargalhada. 

-- Você não faz ideia de como Natasha espera por esse momento. Não tem um só dia em que ela não fale em seu nome. 

-- Meu nome? No nome da Carolina, você quis dizer -- Andreia sorriu, ironicamente. 

-- Que seja -- Sibele levantou as mãos ao alto -- Enfim, a Marcela deu uma boa ideia. Você pode fazer isso, Vanderlei? 

-- Claro, tenho amigos na imprensa que podem fazer essa divulgação. 

Marcela entregou um copo de bebida para o detetive e sentou novamente ao seu lado. 

-- Vou dizer que assisti a reportagem e avisei a Andreia. 

-- Não, não -- Sidney deu um pulo e ficou de pé -- Eu assisti a reportagem e avisei a Andreia. 

-- Sidney! Até você? -- berrou Andreia, indignada. 

-- O que tem de errado? Eu só vou assistir a reportagem e te contar. 

-- Amanhã mesmo vou embarcar de volta para a Ilha do Falcão. Vou agir como se não soubesse de nada -- Sibele, como todos os presentes, estava nervosa e ansiosa -- Fiquem cientes de que quando o Vanderlei der a notícia para a Natasha, colocarei em dúvida a veracidade da história e me oferecerei para providenciar o exame de DNA. Natasha com certeza vai aceitar. 

-- Você é o máximo -- Marcela sorriu. 

Recostada no sofá, Andreia viu Marcela abraçar Sibele. A atmosfera como um todo estava bem carregada e a maldade presente no apartamento era quase palpável e sufocante para Andreia. Sentia-se suja. Uma criminosa 

Depois de tomar um gole do uísque, Marcela olhou para Andreia e a fitou com ar sério -- Tem certeza que não vai pular fora? 

O olhar que Andreia lançou a irmã foi frio e pouco amistoso, e não passou despercebido a todos.  

-- Não estaria aqui se não tivesse certeza - respondeu, rudemente. 

 

 

Natasha acordou cedo. Correu para o banheiro e ligou o chuveiro. Cantou umas cinco músicas e saiu do boxe, o banheiro mais parecia uma sauna de tanta fumaça. 

-- Eu se não fosse eu, sentiria inveja de mim -- disse para o seu reflexo. Suspirou longamente. Queria tanto encontrar Carolina, ter a irmã ao seu lado seria maravilhoso. Uma pessoa fiel, amiga e inseparável. Uma pessoa para cuidar e ser cuidada. 

Era uma das empresárias mais ricas do país, mas havia aprendido, pela falta de uma, a dar valor à riqueza de uma família. 

Abriu uma gaveta e pegou uma barra de chocolate. Era o único alimento que seria capaz de comer naquele momento. Estava sem fome e nauseada. 

-- Bom dia, fantástica -- a voz familiar soou estridente, como sempre. 

-- Bom dia, Leopoldo. 

O secretário levantou-se do sofá e caminhou até ela com um tablet na mão. 

-- Estou aqui nesse sofá há horas. Nunca conheci alguém que demorasse tanto no banho. Credo -- ele fez um gesto de impaciência, e olhou para o tablet -- Temos uma agenda lotada hoje. Reuniões a manhã toda e no período da tarde... 

-- Que interessante! -- Natasha o interrompeu, impaciente -- Só que não. 

-- Mas... Mestra, temos... 

-- Não insista, Léo. Posso até cumprir a agenda da manhã, mas os compromissos da tarde, pode cancelar todos -- abriu o chocolate e colocou um pedaço na boca -- Vou surfar. 

-- Que nojo! -- Léozinho resmungou. 

-- O que você falou? -- Natasha mordeu outro pedaço do chocolate. 

-- Que fofo! 

-- Fofo não, radical. 

Natasha sentou em frente ao computador e ficou concentrada por alguns minutos na tela. 

Léozinho aproximou-se lentamente da mesa. 

-- Chefe?  

-- Hum. 

-- Posso falar uma coisa? 

-- Se for besteira, nem abre a boca. Estou ocupada. 

Léozinho não falou nada, em vez disso, ele meramente inclinou a cabeça, então se virou e saiu da sala. 

O delicado som da porta sendo fechada, chamou a atenção de Natasha. Ela afastou os olhos da tela e com uma expressão pensativa, apoiou o queixo na mão. 

-- O que será que ele queria dizer? 

 

 

Sibele espiou pela janela do avião, os olhos negros brilharam ao observar o oceano a milhares de pés lá embaixo. Uma olhada no relógio confirmou que em menos de meia hora aterrissaria no aeroporto de Florianópolis. 

Apanhou uma revista de informações turísticas e logo na primeira página reconheceu a Ilha do Falcão. As fotos foram tiradas no hotel e nas praias centrais. 

Sibele virou a página: Natasha Falcão, a princesa dos mares do Sul, era o título da reportagem. 

-- Você a conhece? -- perguntou a moça que estava sentada ao seu lado.  

-- Claro, trabalho para ela -- respondeu, divertida. 

-- Ela deve ser uma pessoa inteligente, sofisticada e educada. 

Sibele deu uma gargalhada. 

-- Você não faz ideia de como. 

O percurso de Florianópolis até a ilha foi feito de lancha. O dia estava lindo, o que fez a paisagem ficar ainda mais deslumbrante. Àquela hora da manhã, o oceano estava azul cristalino e a brisa soprava de maneira delicada. 

Assim que chegou ao cais, Sibele pegou um taxi e foi direto para o hotel. 

-- Seja bem-vinda, doutora! -- a recepcionista abriu um largo sorriso -- Não se preocupe, vamos cuidar da sua bagagem. 

-- Obrigada, Paloma. A Natasha está no hotel? 

-- Ela acabou de sair de uma reunião. Provavelmente ainda está na sala. 

-- Bem, vou para o meu apartamento, caso veja a chefa, diga que eu voltei. 

-- Claro, pode deixar -- a recepcionista sorriu com simpatia. 

Sibele cruzou o saguão na direção do elevador. Tinha que voltar o mais rápido possível a sua rotina de trabalho. Mostrar-se alheia a tudo que envolvesse Carolina era o melhor a fazer, ao menos por enquanto. 

A porta do elevador se abriu e Natasha saiu acompanhada de Talita. Assim que a viu, a empresária arqueou as sobrancelhas. 

-- Já de volta! Cansou da namoradinha mimada? 

Sibele sorriu e deu um abraço na empresária. 

-- Acho que estou sofrendo do mesmo mal que você. Não consigo mais, sair dessa ilha. Estava lá, mas com o pensamento aqui.  

-- Essa ilha é magica e nos prende a ela -- Natasha disse, com uma voz que demonstrava satisfação consigo mesma. 

-- Não querendo ser impertinente, como fica a minha situação com a volta da Sibele? 

Sibele olhou para Natasha com expressão interrogativa. 

A empresária deu de ombros e começou a caminhar em direção a enorme porta. 

-- Natasha -- Sibele a chamou.  

Ela se virou para olhar. 

-- O que eu faço? 

-- Você não é a responsável pelo setor? Então decida. 

 

Andreia acordou na manhã seguinte e foi ao banheiro, olhou sua imagem no espelho, não parecia nada bem, as olheiras rodeavam seus olhos e as faces estavam pálidas. 

-- Coitada da minha nova irmã, vai levar um susto quando me ver -- agitou a cabeça e riu intimamente da própria melancolia. 

Andreia lavou o rosto, penteou os cabelos e foi para a cozinha. 

Marcela a esperava com a mesa posta com o café da manhã. Como já era de se esperar, ela franziu a testa e lançou um olhar de desagrado. 

-- Está bem acabadinha para quem vai reencontrar a irmã depois de vinte e um anos -- disse friamente -- Ontem nem tocou no jantar. 

-- Não estava com fome -- ela respondeu sentando-se a mesa -- Marcela, podemos conversar? 

Marcela a olhou irritada, já prevendo problemas. 

-- Não me diga que está querendo desistir, nem inventa, Andreia. 

-- Não, não -- respondeu de imediato -- Agora não tem mais volta. Já dei carta branca para o doutor Vicente fazer o que for necessário. 

-- Então o que é? 

-- Até quando vamos manter essa farsa? Não sei se vou conseguir manter essa mentira por muito tempo. 

-- Por que ficar se preocupando com isso agora? Vamos deixar para pensar nisso só depois que o papai estiver longe daquele hospital. No momento concentre-se apenas em fazer a Natasha acreditar que você é a irmã dela. 

Andreia colocou a mão sobre a mesa e suspirou longamente. Quem sabe Natasha fosse até melhor irmã que Marcela. A moça só pensa em dinheiro, faz tudo por dinheiro, vive apenas para o dinheiro. Chega a esquecer do mundo, do amor, das pessoas. Ela pensa que tudo se pode comprar. 

 

 

 

 

 

Mensagem 

Certa vez, Chico Xavier, visitando o cemitério de Uberaba, notou a presença de um espírito que, rente ao seu próprio túmulo, chorava arrependido. 

Fora um rico comerciante na cidade e cometera suicídio. Chico o conhecera de nome.  

Percebendo que podia conversar com o médium, após lamentar o gesto infeliz, que praticara por causa dos negócios que não iam bem, ele disse: 

- Chico, vocês, os espíritas, são os verdadeiros milionários da Terra!  

Chico Xavier ficou com muita pena dele, porque, de fato, o dinheiro, para quem apenas aprendeu a valoriza-lo, é um transtorno muito grande. 

Fazia muito tempo que ele estava ali, preso aos despojos, se lamentando . . .  

Conversaram por alguns minutos, e apesar da consciência que revelava de sua situação, ele não se mostrava com a menor disposição íntima de abandonar o local; aquilo era uma autopunição . . ." (Do livro: O Evangelho de Chico Xavier) 

O apóstolo Paulo, disse: "se temos o que comer e com que nos vestir, fiquemos contentes com isso. Aqueles, porém, que querem tornar-se ricos, caem na armadilha da tentação e em muitos desejos insensatos e perniciosos, que fazem os homens afundarem na ruína e perdição.  

Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro. Por causa dessa ânsia de dinheiro, alguns se afastam da fé e afligem a si mesmos com muitos tormentos. 

 

 

Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 18/01/2018 02:36 · Para: Capitulo 12 MENTE CRIMINOSA

E o plano agora está em andamento. A Natacha com o Leozinho e muito engraçado. So dar corte no coitado. O q a Sibele vai fazer com a Talita . Hum. Boa noite.



Resposta do autor:

Olá Patty

Boa tarde.

E o plano continua...



Nome: Mille (Assinado) · Data: 17/01/2018 23:46 · Para: Capitulo 12 MENTE CRIMINOSA

Boa noite Vandinha 

Sibele que se cuide que a Talita pode ser uma peça que vai atrapalhar em seus planos. 

E essa exposição da foto,  vai atrair mais um ambicioso. 

Bjus e até o próximo capítulo 



Resposta do autor:

Boa tarde, Mille.

Será que o plano vai realmente dar certo?



Nome: NovaAqui (Assinado) · Data: 17/01/2018 23:08 · Para: Capitulo 12 MENTE CRIMINOSA

Que safada essa namoradinha da Marcela. Quando Natasha descobrir essa armação vai acabar com a raça da Sibele

Abraços fraternos procês!



Resposta do autor:

Abraços. Tenha uma noite tranquila.

Beijos.



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.